Notícia

Skip Navigation LinksHome > Simpro > Notícia

Hospital Santa Paula atinge nível máximo de maturidade da HIMSS
18/02/2019

O Hospital Santa Paula acaba de receber a Certificação Internacional da Healthcare Information and Management Systems Society (HIMSS) estágio 7, uma das associações internacionais de maior prestígio mundial no setor de saúde.

A instituição é a primeira da cidade a conquistar o nível máximo da EMRAM – Electronic Medical Record Adoption Model, se consolidando um hospital totalmente digital, ou seja, sem papel (paperless).

Para chegar ao último patamar da certificação, o hospital passou por oito níveis, em uma escala de 0 a 7. O processo teve início em 2014, e contou com o apoio do software de gestão hospitalar Tasy, da Philips.

Atualmente, há apenas cinco hospitais atestados no Brasil com o mais alto grau do programa, que comprova a qualidade da tecnologia da informação e dos mecanismos de segurança para fornecer cuidados clínico-assistenciais.

Alexandre Dias, gerente de Tecnologia da Informação do Hospital Santo Paula, explica que a certificação é resultado do esforço em manter a instituição sempre alinhada com o que há de mais inovador em produtos e serviços oferecidos aos seus pacientes. “A completa digitalização dos processos de cuidados à saúde permite ao gestor ver com maior clareza o processo de cuidado e entender a limitações e as dificuldades encontradas dentro de um hospital”, afirma.

Além disso, segundo ele, a adoção da Tecnologia da Informação em todos os processos torna o hospital mais seguro, além de melhorar o desempenho.  “A digitalização total permite a instituição de diversas ferramentas de segurança ao paciente, fazendo com que medicações, exames e procedimentos sejam melhores controlados e evitando eventos adversos”, ressalta.

A conquista dos níveis superiores do HIMSS também revela um grau de maior maturidade de uma instituição. “A capacidade de trabalhar com Analytics e tornar o hospital paperless garante maior integração entre as áreas assistências e administrativas. Futuramente, a coleta sistemática de informações pode ainda criar uma radiografia ampla de como o cuidado à saúde é feito e, com ferramentas de análise de big data, propor e testar protocolos, ferramentas e muito mais”, finaliza Dias.


Fonte: https://bit.ly/2tuwFTm