Notícia

Skip Navigation LinksHome > Simpro > Notícia

O uso Nãotecidos ajuda prevenir contaminações e infecções hospitalares
09/11/2018

De acordo com Avaliação de Ciclo de Vida (ACV), além de evitar contaminações, o uso de Nãotecido ainda minimiza impactos ambientais

Segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), dos mais de 234 milhões de pacientes operados por ano no mundo, um milhão deles morrem em decorrência de infecções hospitalares e sete milhões apresentam complicações no pós-operatório. Um dos grandes desafios de um ambiente hospitalar é manter as equipes e os equipamentos seguros e estéreis contra contaminantes e infecções.

Diante desse cenário o uso nãotecidos destinados ao mercado Médico Hospitalar (toucas, máscaras, jalecos, camisas, camisetas, calças, aventais, campos cirúrgicos, compressas, embalagens para esterilização, paramentação odonto-médico-hospitalar, curativos, protetor oftálmico e outros) se torna peça fundamental nesse processo.

Os kits de produtos cirúrgicos de nãotecido podem contribuir para minimizar as contaminações. Isso porque eles são descartáveis e, consequentemente, mais seguros e eficazes na prevenção de infecções.

Além disso, esses produtos foram submetidos à Avaliação de Ciclo de Vida (ACV) por iniciativa da ABINT (Associação Brasileira das Indústrias de Nãotecidos e Tecidos Técnicos) e de seu Comitê Técnico Médico Hospitalar (CTH). Trata-se de uma análise dos impactos ambientais potenciais ao longo da vida de um produto ou serviço, desde a extração da matéria-prima até a destinação final.

Ao comparar kits cirúrgicos de tecidos de algodão (reutilizáveis), também usados nesse mercado, e de nãotecido de polipropileno (descartáveis), a segunda alternativa apresentou melhor desempenho ambiental, reduzindo, por exemplo, o consumo de água em, ao menos, 80%.

Apresentou também melhor desempenho em funções como barreira física a fluidos. Segundo a avaliação, os kits cirúrgicos de algodão perdem a barreira após serem usados seis vezes. E esses kits de algodão utilizam produtos químicos para sua desinfecção, os quais são descartados no meio ambiente após seu uso.

Segundo Michele Louise, coordenadora do CTH, esse tipo de trabalho é essencial para embasar as decisões relativas ao negócio. “A partir de dados científicos, é possível escolher o melhor produto em termos de eficiência ambiental, benefício social e vantagem econômica”, explica Michele.

E a executiva completa: “a divulgação das qualidades técnicas dos nãotecidos somadas às vantagens ambientais são argumentos para que esses produtos ganhem ainda mais espaço no mercado brasileiro”, completa a coordenadora.

Sobre o CTH-ABINT: O Comitê Técnico Médico Hospitalar (CTH) é formado pelas empresas Lifemed, Lifetex, Maxipack, Planitrade, Sulgraffmed, Venkuri, Braskem, Berry, Fibertex e Fitesa e tem por objetivo promover as aplicações de nãotecidos no segmento médico-hospitalar, enaltecendo suas qualidades técnicas e sustentáveis.

Sobre a ABINT: Fundada em 1991, a Associação Brasileira das Indústrias de Nãotecidos e Tecidos Técnicos tem como objetivo representar, difundir e defender os interesses da indústria brasileira de Nãotecidos e Tecidos Técnicos, promovendo e apoiando o seu desenvolvimento e o crescimento do mercado de aplicações desses produtos, que são fundamentais a diversos e importantes setores da economia do país.

Informações à imprensa:

M.Free Comunicação

Tel: (11) 3171-2024  R. 2

Carla Legner e Marcio Freitas


Fonte: